Fazer fertilização in vitro pode diminuir meu número de óvulos?

Para responder a essa pergunta, precisamos entender como e quando a mulher produz seus óvulos. Você provavelmente já deve ter ouvido que a partir dos 35 anos a fertilidade da mulher cai gradualmente e rapidamente até a menopausa (período no qual não há mais liberação de óvulos).

Mas por que a fertilidade está relacionada à idade? (Saiba mais)

A mulher, diferentemente do homem, não produz óvulos (gameta feminino) durante a vida. Ela já nasce com todos os seus óvulos, que irão envelhecer lentamente e, após os 35 anos, a queda da qualidade e quantidade deles é brusca. Após essa idade, uma em cada três mulheres pode enfrentar problemas para engravidar mesmo depois de um ano tentativa. Há maiores chances de os óvulos terem mutações genéticas, aumentando a frequência de síndromes raras, assim como de ter características de qualidade alteradas, o que dificulta a fecundação.

Para entender como funciona a produção de óvulos, precisamos ter três marcos principais da vida da mulher em mente: o período de vida intrauterina (dentro do útero da mãe), após o nascimento e no início da puberdade. Apesar de os ovários femininos produzirem muitos óvulos durante a vida intrauterina, muitos deles são perdidos durante a vida. Essa perda é fisiológica e faz parte dos processos de ovogênese, foliculogênese e ovulação da mulher.

Na 20ª semana de vida intrauterina, o feto possui de seis a sete milhões de folículos ovarianos primordiais (cada folículo contém um óvulo). No nascimento, esse número é reduzido para um milhão a dois milhões de folículos, chegando a 300 a 500 mil folículos no início da puberdade. Então, a cada ciclo menstrual durante a vida reprodutiva, muitos óvulos são perdidos todos os meses.

O aumento de alguns hormônios como FSH (hormônio folículo estimulante) e estrogênio faz com que vários folículos iniciem seu desenvolvimento, porém, somente um folículo liberará um óvulo no período de ovulação, no qual o hormônio LH (hormônio luteinizante) atinge sua concentração máxima. Esse folículo é chamado de folículo dominante. Os outros folículos que iniciaram seu desenvolvimento e não são o folículo dominante são descartados pelo corpo. Portanto, apenas um óvulo é liberado por mês em ciclos normais.

Quando as mulheres são inférteis, mais velhas, têm parceiros inférteis ou têm dificuldade para engravidar por algum outro motivo, é indicado que elas realizem afertilização in vitro (FIV).

Uma das etapas iniciais desse tratamento é a estimulação ovariana controlada. Nessa etapa, as mulheres injetam medicamentos hormonais(Menopur/Gonal/Rekovelle/Fostimon), conhecidos como gonadotrofinas exógenas, que impedem que haja um folículo dominante, ou seja, todos os folículos que iniciam seu desenvolvimento em ciclos normais continuarão a se desenvolver.

O aumento no número de óvulos obtidos por ciclo de fertilização in vitro possibilita maiores chances de sucesso para gravidez, já que a mulher pode escolher o óvulo que tem a melhor qualidade, tamanho adequado, e até descobrir se há alterações genéticas no embrião antes mesmo de implanta-lo (para famílias com alguma doença genética incidente).

Além disso, a resolução que regulamenta os procedimentos de FIV permite que mais de um embrião seja implantado, de acordo com a idade da mulher, podendo chegar até quatro embriões em mulheres acima de 40 anos. Todas essas estratégias são pensadas com o intuito de aumentar as chances de gravidez, e devem ser individualizadas para cada mulher, de acordo com seu histórico médico.

Portanto, a fertilização in vitro não diminui a reserva ovariana por originar mais óvulos por ciclo. Ela apenas impede que haja dominância de um folículo sobre os outros, e que estes sejam perdidos como acontece em ciclos naturais. Ao invés de serem eliminados sem uso algum, a FIV aproveita esses óvulos que seriam descartados para aumentar as chances de sucesso de gravidez.

Se você estava preocupada que a FIV poderia diminuir seu número de óvulos, não há motivo. O objetivo principal desse tratamento é otimizar os processos naturais do corpo com drogas e tecnologia médica, sempre com a missão de aumentar as chances de gravidez e tornar o seu sonho uma meta possível de ser atingida.