Fertilização in vitro para Casais Homossexuais

A família moderna brasileira quebrou alguns padrões sociais. Não é mais unânime a família composta por mulher, homem e filhos. O mundo LGBT conquistou seu espaço na sociedade e, hoje, os casais gays têm o direito de recorrer às técnicas de reprodução assistida para ter um filho com seu próprio DNA.

A resolução 2.013/13 do Conselho Federal de Medicina (CFM) para Reprodução Humana oficializou a possibilidade de casais homossexuais realizarem o tratamento de fertilização in vitro. A gestação compartilhada também é permitida. Ela consiste na aspiração de óvulos de uma das parceiras para serem fertilizados por espermatozoides de um doador formando um embrião que será transferido para o útero da outra parceira.

A realização de um check-up completo de fertilidade é essencial para qualquer casal que inicia o tratamento de fertilização in vitro. Isso não é diferente com casais homossexuais. Se os exames atestarem algum tipo de infertilidade/subfertilidade, esta deverá ser tratada antes do início do tratamento.

 O que é necessário para o sonho de duas mulheres?

Para um casal formado por duas mulheres há duas opções: a inseminação intrauterina e a fertilização in vitro.

 Inseminação intrauterina para duas mulheres:

O procedimento geralmente é realizado através da estimulação ovariana controlada. Quando os folículos estão em tamanho adequado, ocorre a indução de ovulação (36 horas). Duas horas antes da inseminação, o sêmen do doador escolhido pelo casal é preparado e posteriormente introduzido no interior da cavidade uterina, com a ajuda de um cateter. A identidade do doador é confidencial. Esse procedimento deve ser realizado na mulher do casal que irá gestar o bebê. Os custos da inseminação são inferiores aos da fertilização in vitro, porém, só uma das parceiras pode ter participação no processo.

Fertilização in vitro para duas mulheres:

Nesse procedimento, as duas mulheres podem ter participação. A fertilização in vivo inicia-se com a estimulação ovariana controlada em uma das mulheres do casal, resultando em óvulos disponíveis para a aspiração folicular. Os óvulos são colocados em contato com o sêmen de um doador para fertilização em laboratório de reprodução humana. São transferidos um ou mais embriões, de acordo com a idade e os fatores individuais da paciente. A transferência pode ser realizada na mesma paciente que fez a estimulação ovariana ou na outra parceira do casal, se desejado, para que as duas tenham participação no processo.

O que é necessário para o sonho de dois homens?

Para os homens, a única técnica disponível é a fertilização in vitro. Os parceiros escolhem entre si de quem será o sêmen utilizado na fertilização. São selecionados óvulos de uma doadora compatível com as características físicas do casal. A identidade da doadora é confidencial. Esse óvulo será fertilizado pelo espermatozoide do parceiro escolhido, gerando embriões. Para a transferência de embrião, é necessário procurar uma mulher para cessão temporária de útero (barriga de aluguel). Segundo a resolução publicada pelo Conselho Federal de Medicina em 2017, a barriga solidária deve ser de uma integrante da família de algum dos parceiros e deve ter parentesco consanguíneo de até quarto grau (mãe, irmã, tia, sobrinha, prima e avó) sem o envolvimento de fins lucrativos ou comerciais.

A técnica de fertilização in vitro possibilita que casais homossexuais tenham seus bebês e realizem o sonho da maternidade/paternidade. Além de ser um método seguro, não relacionado ao câncer e não relacionado ao aumento de malformação em bebês, a fertilização in vitro permite que a experiência de ter um bebê seja vivenciada também por pais gays.

Agende sua consulta agora mesmo

Categorias
Sobre

Contamos com uma equipe multidisciplinar altamente qualificada, que vai da enfermagem especializada em reprodução humana até a fisioterapia para dor pélvica crônica.


Contato

Rua Joaquim Floriano, 466 14º andar - Cj 1409
Itaim Bibi | São Paulo - SP

11 3071.4767

babycenter.med.br