Assisted Hatching

Para entendermos o objetivo da técnica de assisted hatching, que pode ser traduzida para o português como “implantação embrionária assistida”, temos que entender como o processo de fertilização ocorre naturalmente e, principalmente, entender a função de uma estrutura muito importante nesse processo: a zona pelúcida.

Na gestação natural, o óvulo encontra o espermatozoide na tuba uterina e assim ocorre a fecundação nesse mesmo local. Após 5 a 6 dias de desenvolvimento do embrião na tuba, inicia-se o processo de migração para o útero, onde o embrião será implantado no endométrio.

Ao chegar ao útero, a camada externa que reveste o embrião nesse momento, chamada de zona pelúcida, quebrada e liberada. A zona pelúcida é uma espécie de casca gelatinosa que reveste o embrião e tem a função de evitar a penetração e fertilização de mais um espermatozoide naquele óvulo já fecundado. O processo de quebra da zona pelúcida é muito importante para que ocorra a implantação embrionária, processo conhecido como nidação.

Algumas mulheres, principalmente aquelas com mais de 37 anos e altos níveis de FSH, possuem a zona pelúcida dos óvulos mais rígida e espessa, o que dificulta a implantação embrionária no endométrio. Além disso, o processo de congelamento/descongelamento também pode fazer com que a zona pelúcida fique mais rígida. A técnica de assisted-hatching é indicada para esses dois casos, à medida que ela cria uma pequena abertura na zona pelúcida antes da transferência de embrião que facilita a eclosão embrionária (liberação do embrião da zona pelúcida).

A técnica de assisted-hatching é realizada antes da transferência embrionária (no terceiro ou quinto dia do desenvolvimento embrionário) através de três estratégias: LASER (melhores resultados), solução ácida (Tyrode) ou por estratégia mecânica, através de dissecção parcial da zona pelúcida.

O assisted-hatching é indicado para mulheres com idade maior ou igual a 38 anos, embriões de baixa qualidade ou falha de implantação em dois ou mais ciclos de FIV realizados. Nesses casos, a técnica pode ajudar no processo de nidação, demonstrando maiores taxas de sucesso para implantação embrionária. Porém, um estudo publicado no ano de 2018 demonstrou que a técnica não apresentou melhora significativa nos resultados reprodutivos para mulheres com idade avançada¹, sendo necessários mais estudos para aprimorar esse procedimento.

Referência:

  1. Tannus S, Cohen Y, Henderson S, Son WY, Tulandi T. The Effect of Assisted Hatching on Live Birth Rate Following Fresh Embryo Transfer in Advanced Maternal Age. Reprod Sci. 2018

Agende sua consulta agora mesmo

Categorias
Sobre

Contamos com uma equipe multidisciplinar altamente qualificada, que vai da enfermagem especializada em reprodução humana até a fisioterapia para dor pélvica crônica.


Contato

Rua Joaquim Floriano, 466 14º andar - Cj 1409
Itaim Bibi | São Paulo - SP

11 3071.4767

babycenter.med.br