A fertilização in vitro é para todos: conheça as alternativas para famílias plurais

A família moderna brasileira alterou muito seu antigo formato de mulher, homem e filhos. O mundo LGBT conquistou seu espaço na sociedade e, hoje, os casais gays têm o direito de recorrer às técnicas de reprodução assistida para ter um filho com seu próprio DNA.

A resolução 2.013/13 do Conselho Federal de Medicina (CFM) para Reprodução Humana oficializou a possibilidade de casais homossexuais assim como pais e mães solteiras (família monoparental) fazerem FIV. “É permitido o uso das técnicas de RA para relacionamentos homoafetivos e pessoas solteiras, respeitado o direito da objeção de consciência do médico”.

resolução vigente que regulariza esse direito ainda acrescenta “É permitida a gestação compartilhada em união homoafetiva feminina em que não exista infertilidade. Considera-se gestação compartilhada a situação em que o embrião obtido a partir da fecundação do(s)  oócito(s)  de  uma mulher  é  transferido para o  útero de sua parceira.”

A realização de um check-up completo de fertilidade é essencial para qualquer casal que inicia o tratamento de fertilização in vitro. Isso não é diferente com casais homossexuais. Se os exames atestarem algum tipo de infertilidade/subfertilidade, esta deverá ser tratada antes do início do tratamento.

 

O que é necessário para seu sonho?

 

 
Entenda a Inseminação artificial no caso de casal com duas mulheres:

  • O procedimento pode ser realizado com a estimulação ovariana controlada ou por ciclo natural.
  • Quando os folículos estão em tamanho adequado, ocorre a indução de ovulação (36 horas).
  • Duas horas antes da inseminação, o sêmen do doador escolhido pelo casal é preparado e posteriormente introduzido no interior da cavidade uterina, com a ajuda de um cateter. A identidade do doador é confidencial.
  • Esse procedimento deve ser realizado na mulher do casal que irá gestar o bebê.
  • Os custos da inseminação são inferiores aos da fertilização in vitro, porém, só uma das parceiras pode ter participação no processo.

 

Fertilização in vitro para casais formados por duas mulheres: no caso da FIV, as duas mulheres do casal podem ter participação no procedimento.

  • A fertilização in vivo inicia-se com a estimulação ovariana controlada em uma das mulheres do casal, resultando em óvulos disponíveis para a aspiração folicular.
  • Os óvulos são colocados em contato com o sêmen de um doador para fertilização em laboratório de reprodução humana.
  • É transferido um ou mais embriões, de acordo com a idade e os fatores individuais da paciente. Esse procedimento pode ser realizado na mesma paciente que fez a estimulação ovariana ou na outra parceira do casal, se desejado, para que as duas tenham participação no processo.

 

Para casais formados por dois homens só é possível realizar fertilização in vitro.

  • Os parceiros escolhem em acordo mútuo de quem será o sêmen utilizado na fertilização.
  • São selecionados óvulos de uma doadora compatível com as características físicas do casal. A identidade da doadora é confidencial.
  • Esse óvulo será fertilizado pelo espermatozoide do parceiro escolhido, gerando embriões.
  • Para a transferência de embrião, é necessário procurar uma mulher para cessão temporária de útero. Segundo a resolução publicada pelo CFM em 2017, a barriga solidária deve ser de uma integrante da família de algum dos parceiros e deve ter parentesco consanguíneo de até quarto grau (mãe, irmã, tia, sobrinha, prima e avó) sem o envolvimento de fins lucrativos ou comerciais.

 

Mulheres e homens solteiros que desejam ter um filho, também podem fazer a fertilização in vitro de acordo com os procedimentos descritos. A resolução vigente que regulariza a Reprodução Humana assegura esse direito.

A técnica de fertilização in vitro possibilita que casais homossexuais tenham seus bebês e realizem o sonho da maternidade/paternidade. Além de ser um método seguro, não relacionado ao câncer e não relacionado ao aumento de malformação em bebês como já discutimos em outros textos, a fertilização permite que a experiência de ter um bebê seja vivenciada também por pais gays.