A alimentação pode influenciar os resultados de FIV?

Comer é muito bom e traz prazer ao cérebro humano, liberando moléculas que resultam em felicidade/prazer momentâneo. Quem nunca passou em frente ao McDonald’s e sentiu aquela vontade de comer um lanche ou uma porção de batatas fritas? Ou passou em frente a uma padaria pela manhã com cheiro de pão quentinho? Sim, são muitas as tentações! Porém, se você está planejando uma gravidez, deve ficar atenta a sua alimentação!

O estilo de vida da mulher e do homem no período pré-gestacional pode influenciar os resultados de fertilidade e gravidez. Um estudo publicado nesse mês, maio de 2018, na revista Human Reproduction (“Pre-pregnancy fast food and fruit intake is associated with time to pregnancy”, em Português, “Fast food no período pré-gestacional e consumo de frutas está associado ao tempo para gravidez”) discute sobre esse assunto. O estudo incluiu 5598 mulheres que ainda não tinham filhos, mas estavam tentando engravidar, na Austrália, Nova Zelândia, Irlanda e Reino Unido.

O estudo realizado constatou que o baixo consumo de frutas e o alto consumo de fast food estavam associados a um aumento dos riscos para infertilidade e a um período maior para engravidar.

Olha que resultados interessantes desse estudo: Mulheres que não comiam fast food apresentaram 41% menos chances de ter dificuldades para engravidar e redução de 13% no tempo para engravidar quando comparadas a mulheres que comiam fast food 4 ou mais vezes por semana

Mulheres que comiam de uma a três frutas por dia tinham aumento de 7% de chances de ter infertilidade enquanto mulheres que ingeriam 1-3 frutas no mês tinham aumento de 29% de chances de ter infertilidade.

Por outro lado, pesquisadores não encontraram associação significativa entre o consumo de peixes e folhas verdes e melhora da fertilidade e diminuição do tempo para engravidar.

Os resultados desse estudo evidenciam a necessidade de melhorar os hábitos alimentares para mulheres que estão querendo engravidar. Uma dieta nutritiva aumenta a capacidade reprodutiva da mulher. A pesquisadora líder do estudo, Prof. Claire Roberts concluiu que “Os resultados mostram que uma dieta de qualidade com muitas frutas e pouco fast food, melhora a fertilidade e reduz o tempo para engravidar”.

Suplementos vitamínicos como a vitamina D, que já falamos aqui no blog podem auxiliar no período pré-gestacional. O estudo “Vitamin D Deficiency and Infertility: Insights From in vitro Fertilization Cycles” (em português: Deficiência de Vitamina D e Infertilidade: Considerações a partir de Ciclos de Fertilização in vitro”observou que a insuficiência de vitamina D pode reduzir em até 50% as chances de sucesso do tratamento de FIV (confira aqui esse texto).

Em estudos publicados pelo Dr. Luiz Fernando Carvalho como “Oxidative cell injury as a predictor of endometriosis progression” (em Português, “Dano celular oxidativo como um preditor da progressão de endometriose”) e também “Oxidative stress biomarkers in patients with endometriosis: a systematic review” (em Português, “Biomarcadores de estresse oxidativo em pacientes com endometriose: uma revisão sistemática”), ele avaliou a estreita ligação do estresse oxidativo com a progressão da endometriose. A endometriose atinge cerca de 10% das mulheres em todo o mundo e é uma condição altamente relacionada à infertilidade.

Portanto, além de frutas e suplementos vitamínicos como a vitamina D, também são recomendados alimentos ricos em antioxidantes para as tentantes.

Os principais antioxidantes são: glutationa encontrada na couve, brócolis, grão de bico; vitamina C, encontrada na laranja, limão, acerola e goiaba; vitamina E, encontrada nas amêndoas, abacate e mamão; flavonoides como batata doce, maçã e chocolate amargo; além de luteína, antaxantina, selênio e clorofila, outros importantes antioxidantes.

 

Chegamos ao final de mais um “Mitos e Verdades em FIV” e sim, é verdade que a alimentação pode interferir nos resultados de gravidez! Manter uma alimentação equilibrada, evitando fast food ingerindo mais frutas e alimentos naturais é a nossa dica de hoje para nossas queridas “tentantes”! Até a próxima.

 

Referências

Grieger JA, Grzeskowiak LE, Bianco-Miotto T, Jankovic-Karasoulos T, Moran LJ, Wilson RL, Leemaqz SY, Poston L, McCowan L, Kenny LC, Myers J, Walker JJ, Norman RJ, Dekker GA, Roberts CT. Pre-pregnancy fast food and fruit intake is associatedwith time to pregnancy. Hum Reprod. 2018 May 4.

Carvalho LF, Abrão MS, Biscotti C, Sharma R, Nutter B, Falcone T. Oxidative cell injury as a predictor of endometriosis progression. Reprod Sci. 2013 Jun;

Carvalho LF, Samadder AN, Agarwal A, Fernandes LF, Abrão MS. Oxidative stress biomarkers in patients with endometriosis: systematic review. Arch Gynecol Obstet. 2012 Oct

Paffoni A, Ferrari S, Viganò P, Pagliardini L, Papaleo E, Candiani M, Tirelli A, Fedele L, Somigliana E. Vitamin D deficiency and infertility: insights from in vitro fertilization cycles. J Clin Endocrinol Metab. 2014 Nov